UFC integra equipe de pesquisadores do inquérito nacional de cobertura vacinal em nascidos vivos em 2017 em áreas urbanas de capitais brasileiras

A Capital Fortaleza será uma das capitais participantes do Inquérito nacional de cobertura vacinal (ICV) em nascidos vivos em 2017 e residentes atualmente em áreas urbanas de capitais brasileiras. Sob a coordenação geral do Prof José Cassio de Moraes da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, por intermédio do Centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvão do Departamento de Saúde Coletiva, é financiado com recursos da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde bem como do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. No Estado do Ceará está sob a coordenação da Universidade Federal do Ceará, por intermédio do Prof Alberto Novaes Ramos Jr do Departamento de Saúde Comunitária e do Programa de Pós-graduação em Saúde Pública (PPGSP-UFC), ambos vinculados à Faculdade de Medicina, e da Profa Jaqueline Caracas Barbosa, PPGSP-UFC.

O objetivo geral do ICV é estimar a cobertura vacinal aos 12 meses, aos 18 meses e aos 24 meses de vida de residentes nas áreas urbanas de 19 capitais e em Brasília (Distrito Federal). Trata-se de uma grande mobilização interinstitucional no país envolvendo não apenas universidades públicas, mas também diferentes instâncias de gestão do SUS e outras instituições de pesquisa.

A população de estudo será formada por crianças nascidas vivas em 2017 e residentes na área urbana. Para o alcance desta população, a fonte de dados utilizada é o Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) com dados nominais da criança, da mãe, do pai e endereço completo, com salvaguarda e garantia, por princípio ético da pesquisa, do sigilo e da confidencialidade. O tamanho da amostra em Fortaleza será de mais de 1.800 pessoas.

Relevância

É inequívoco o efeito positivo da adoção do uso de vacinas em todo os sistemas nacionais de saúde para garantia de qualidade de vida às pessoas. O Brasil destaca-se no cenário internacional pelo seu Programa Nacional de Imunização (PNI), alcançando em 2020 uma história de mais de 45 anos. Ao longo de todos estes anos tem sido uma estratégia fundamental e exitosa no Sistema Único de Saúde (SUS) para o alcance de parâmetros de controle de importantes doenças preveníveis pelo uso de vacinas. Entretanto, desde 2016 principalmente, tem preocupado a tendência ao longo dos anos de redução significativa da cobertura vacinal para diferentes doenças imunopreveníveis.

Torna-se necessário, portanto, não apenas a busca de indicadores mais precisos, mas também no reconhecimento e entendimento de fatores que possam estar influenciando as diferentes estimativas de cobertura vacinal no território brasileiro. A questão central é reduzir o risco de acúmulo de pessoas suscetíveis capazes de determinar a (re)introdução e a manutenção da circulação de agentes infecciosos em nossa população.

Para alcançar o objetivo do projeto, a parceria entre Ministério da Saúde, Secretaria Estadual de Saúde do Ceará e Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza tem sido fundamental para avançar nesta importante iniciativa liderada e conduzida por instituições públicas de ensino e pesquisa de todo o país.

Maiores Informações: Profa. Dra. Jaqueline Caracas Barbosa, Programa de Pós-graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, 85 3366-8646, icv.ceara2020@gmail.com