[:pb]Semana de Saúde Coletiva conclui trabalhos com ampla discussão sobre formação de recursos humanos para o SUS[:]

[:pb]

1 de dezembro de 2019

Encerraram-se na sexta-feira (29/11) os trabalhos da Semana de Saúde Coletiva da FAMED/UFC. O dia foi dedicado às apresentações e discussões sobre o cenário atual e desafios para o Sistema Único de Saúde, com ênfase na formação de recursos humanos.

A primeira mesa de debates, coordenada pela Profa. Vaudelice Mota, contou com as presenças do Prof. Marcelo Alcântara (Escola de Saúde Pública – ESP) e do Prof. Carlile Lavor (FIOCRUZ Ceará). Dr. Cabeto, Secretário de Saúde do Estado do Ceará, convidado para para discorrer sobre o Distrito de Inovação em Saúde do Porangabuçu, não compareceu, nem enviou representante.

Prof. Marcelo Alcântara abriu as falas relatando ter assumido recentemente a Superintendência da ESP. Apresentou números relativos à formação/capacitação de recursos humanos nos últimos anos. Ressaltou a relevância dos cursos de formação técnica de Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de formação de especialistas através dos Programas de Residência Médica e Residência Multiprofissional. Apresentou também resultados do planejamento estratégico recém-implementado e as diretrizes para as ações de ensino e pesquisa para os próximos 4 anos.

Prof. Carlile Lavor apresentou as ações de ensino e pesquisa em desenvolvimento na FIOCRUZ Ceará. Depois discorreu sobre inovação e o Distrito de Inovação de Saúde do Eusébio. Resgatou sua atuação como estudante no antigo IMEP. Concluiu refletindo e propondo uma ampla união entre Universidades, FIOCRUZ, ESP e demais instituições comprometidas com o Sanitarismo brasileiro para, de forma solidária, atuarem em prol do fortalecimento do SUS.

Na sequência, a mesa de debates sobre o ensino da medicina nos cenários da Atenção Básica (ABS), coordenada pelo Prof. Roberto da Justa, chefe do Departamento de Saúde Comunitária,  contou com as presenças do Prof. João Macedo, Diretor da FAMED, Prof. Arnaldo Peixoto, Gerente de Atenção a Saúde da EBSERH, Profa. Elizabeth Daher, Pró-reitora de Extensão e Prof. Jorge Luis, da disciplina de Doenças Infecciosas.

Antes das apresentações, Prof. Roberto da Justa contextualizou o tema, enfatizando a relevância da ABS como cenário de prática para o ensino da medicina desde a Reforma Curricular de 2001. Acrescentou que as Diretrizes Curriculares Nacionais de 2014 e o Plano Pedagógico para o curso de medicina da UFC de 2018 ampliaram essa diretriz; o Departamento de Saúde Comunitária faz a gestão acadêmica de número significativo de disciplinas que demandam a ABS como cenário de prática; o número de médicos de família e comunidade (MFC) na docência é bastante reduzido (7 ao todo); a FAMED/UFC é dependente de parcerias e pactuações com Fortaleza e outros municípios para executar suas ações de ensino e extensão; há uma vulnerabilidade destas ações em decorrência de variáveis que não estão sob a gestão da Universidade.

Prof. João Macedo discorreu sobre sua trajetória nas reformas curriculares do Curso de Medicina da UFC desde os anos 1980. Na sequência apresentou diretrizes do atual Plano Pedagógico do Curso de Medicina. Fez reflexões sobre como seria possível melhorar o ensino da medicina no cenário da ABS. Por fim, propôs a realização de um Planejamento Estratégico para o ensino da medicina neste cenário para os próximos anos.

Na sequência, o Prof. Arnaldo Peixoto discorreu sobre as interfaces que a EBSERH, através de seus hospitais universitários (HUWC e MEAC), tem desenvolvido com a Atenção Básica, destacando a importância de um bom sistema regulatório de serviços a serem disponibilizados. Ressaltou a importância da ABS estar bem estruturada, organizada e efetiva, pois desta forma mais de 80% dos problemas da população podem ser resolvidos, o que repercute nos outros níveis de atenção.

Profa. Elizabeth Daher discorreu sobre as ações da PREx inseridas na ABS. Destacou o recente convênio assinado entre a UFC e a Prefeitura Municipal de Fortaleza com vistas a transformar o CDFAM em uma Unidade Básica de Saúde com modelo misto de gestão. Profa. Elizabeth considera este convênio estratégico e uma excelente oportunidade para a FAMED/UFC dispor de um cenário de ensino em serviço de excelência.

Concluindo as falas, Prof. Jorge Luis discorreu rapidamente sobre o Serviço de Infectologia do HUWC. Destacou a importância do Serviço criado formalmente em 2002, o grande número de atendimentos realizados, a capilaridade da Infectologia em todos os demais Serviços do HUWC. Por fim, reclamou do número insignificante de leitos de enfermaria, comprometendo as atividades de ensino da graduação e da Residência Médica em Infectologia que corre o risco de ser descredenciada. Solicitou à Direção da FAMED e da EBSERH considerar a ampliação de leitos de enfermaria para 10 leitos, a ampliação de serviços ambulatoriais e a contratação de mais infectologistas.

Findadas as atividades da Semana de Saúde Coletiva, a Comissão Organizadora do evento, representada pelo Prof. Roberto da Justa, Prof. Alberto Novaes e Profa. Vaudelice Mota agradeceu a presença de todos, destacou a relevância dos temas e a qualidade dos debates e apontou para a necessidade de realização do evento anualmente.

[:]

Deixe uma resposta